LEILÃO A-6 2018 - RESULTADOS


No dia 31 de agosto aconteceu o 28º Leilão de Energia Nova A-6 de 2018, em que foram negociados CCEAR (Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado) na modalidade por Quantidade (Hidrelétricas - suprimento de 30 anos e Eólicas - suprimento de 20 anos) e por Disponibilidade (Biomassa, Carvão e Gás Natural - suprimento de 25 anos). O início de suprimento de energia é 1º de janeiro de 2024.

Foi observado mais uma vez uma baixa demanda (835 MW médios), assim como nos últimos pleitos No total foram contratados 2,1 GW em Potência Instalada. Os preços de venda de energia atingiram valores bastante baixos para todas as fontes, em especial a eólica.

Considerando a potência instalada, foram contratados 1,25 GW de eólicas, 0,46 GW de Hídricas e 0,39 GW de Térmicas.

Para as Eólicas os maiores deságios foram para os projetos Ventos de São Januário 20, 21 e 22 com 65,2% e tarifas de 79 R$/MWh (pertencentes ao cluster São Januário_EDF) . Nas Hidros, o maior deságio foi na UHE Baixo Iguaçu (48%) e tarifas de 151,68 R$/MWh.

O Deságio para as Térmicas, tanto a Gas Natural quanto Biomassa foram de ~ 40%.

Confira os vencedores do leilão, separados por Projetos/Clusters:

Figura 01. Projetos e energia contratada no leilão A-6 2018.

ENERGIA VENDIDA POR FONTES

O destaque foi a fonte eólica que arrematou pouco mais de 50% dos lotes comercializados, totalizando 1.250,7 MW de potência, 658,6 MW médios de garantia física e 4201 lotes. Cada lote equivale a 0,1 MWm, portanto foram negociados no ACR 420,1 MW médios dos 658,6 MW médios disponíveis, 64% do total.

A fonte eólica foi a que negociou o valor mais baixo da energia, com média de R$ 92,22/MWh. O valor mais baixo foram dos projetos Ventos de São Januário 20, 21 e 22 da EDF no estado da Bahia vendendo energia a R$ 79,00/MWh.

Considerando taxa de câmbio do dia 31/08/2018 (4,065), estes empreendimentos negociaram energia a 19,43 U$/MWh.

Figura 02. Investimentos por fontes no leilão A-6 2018.

A UTE Parnaíba 5A e 5B a gás natural de 363,2 MW de potência, negociou 326,4 MW médios de garantia física, representando o maior investimento para um único projeto com R$ 1,088 bilhões. Esta usina é de propriedade da ENEVA.

Entre os vencedores, mais uma vez, estão gigantes do setor como EDP Renováveis, CPFL Renováveis, Voltália, Rio Energy, Enerfim e Casa dos Ventos.

Os empreendimentos vencedores do leilão estão cadastrados na base de dados do ePowerBay e localizados geograficamente de acordo com a imagem.

Figura 03. Localização dos projetos vencedores do leilão A-6 2018.

COMPRA DE ENERGIA PELAS DISTRIBUIDORAS

A demanda solicitada pelas distribuidoras de energia foi baixa, 835 MW médios. Apenas 19 declararam necessidades para o ano de 20124. As compradoras da energia estão apresentadas na tabela e gráfico que seguem:

Figura 04. Compra de Energia por Distribuidoras.

A Ceron foi a distribuidora que mais comprou energia, foram 178,89 MWm (21,4%). A distribuidora foi recentemente comprada da eletrobras pelo grupo Energisa, juntamente com a Eletroacre.

Considerando a compra de energia por Grupo Econômico de distribuidoras, a Energisa foi a que mais demandou energia para 2024, foram 349,2 MWm (41,8%).

Figura 05. Compra de energia por grupo econômico de Distribuidoras.

ESTADOS COM PROJETOS

Entre os estados com projetos vencedores no leilão, o destaque é o Rio Grande do Norte que receberá R$ 3,5 bilhões em investimentos. O estado da Bahia é o segundo com um pouco mais de R$ 2,3 bilhões. Ambos os estados receberão apenas projetos eólicos.

Figura 06. Investimentos por estados.

No RN foram vencedores 27 projetos, que totalizam 742,3 MW, das empresas EDP, CPFL, Voltalia, Casa dos Ventos e Enerfin. O estado conta também com uma grande infraestrutura, logística de transporte (rodovias e o porto CODERN - CIA Docas do Rio Grande do Norte) e por isso é o estado com grande potencial e líder do setor eólico no Brasil.

A maior parte dos projetos estão nas Regiões de João Câmara e Açu III, onde se encontram a maior parte dos projetos instalados no estado e com melhores infraestruturas.

Figura 07. localização dos projetos no Rio Grande do Norte.

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Na tabela e gráfico a seguir são apresentadas informações técnicas dos projetos, bem como preço inicial e preço de venda da energia, deságio médio registrado por fonte e investimentos esperados.

Figura 08. Detalhamento da negociação por fontes.

Os investimentos apresentados são os declarados no cadastramento. Os menores valores por MW são observados para a fonte hidráulica 1,6 Milhões/MW e na fonte térmica 1,7 Milhões/MW. A Fonte Eólica foi a que declarou maiores investimento por MW, são necessários 4,7 Milhões/MW. O infográfico que segue apresenta as principais informações da fonte eólica.

Figura 09. Localização dos projetos eólicos, quantidade de lotes vendidos, tarifa e deságio.

COMPARAÇÃO A-6 2017 X A-6 2018

O gráfico que segue mostra o comparativo entre a energia contratada e o preço médio por fonte nos 2 últimos leilões.

Figura 10. Comparação com o último leilão A-6, ocorrido em 2017.

Observa-se que houve uma contratação menor neste leilão (1,8 GWm), com destaque para a térmica a gás natural -1,5 GWm a menos que em 2017. Cabe ressaltar que em 2017 houve uma sobre contratação em função da necessidade de contratação da térmica marginal que foi a UTE Porto de Açu III (1,45 GWm).

Em relação ao preço da energia negociada em 2018, observa-se que estes foram inferiores para todas as fontes, HIDRO (-10,2%), EOL (-12,8%), UTE-BIO (-17,5%) e UTE-GAS (-17,0%)

Em função da mudança no formato de contratação da fonte eólica, de Disponibilidade para quantidade, no qual o gerador incorpora novos riscos, esperava-se que houvesse um aumento na tarifa em relação ao leilão A-6 2017, fato este que não ocorreu. Algumas explicações para o fato são:

  • Competição em função da demanda reprimida e elevada quantidade de projetos (25 GW cadastrados);

  • Avanço tecnológicos (turbinas maiores, com maior potência e menor custo por MW);

  • Estratégias de comercialização no mercado livre;

  • Antecipação da entrada em operação em até 04 anos com antecipação de receitas no projeto à valores mais elevados;

LIMINAR UTE GPE Bahia I

A liminar protocolada pela empresa Evolution Power Partner, dona do projeto UTE GPE Bahia I, suspendeu na quinta-feira, 30 de agosto, a realização do leilão A-6 por 6 horas.

A usina não foi habilitada, por divergência nas informações de inflexibilidade do projeto. A empresa solicitou a regularização da informação junto a Empresa de Pesquisa Energética.

A Usina de 1.2 GW de potência instalada está localizada no município de Camaçari na Bahia.

Figura 11. Localização UTE GPE Bahia I.

Tenha acesso ao conteúdo completo produzido pelo ePowerBay, bem como as planilhas e kmz de localização dos projetos com as principais informações dos players.

Utilize nossas ferramentas para iniciar agora mesmo a prospecção dos novos clientes. Em função das estratégias de negociação no leilão, os empreendedores já estão em processo de contratação de fornecedores.

www.epowerbay.com

contato@epowerbay.com


Banner Site 240x400.jpg
Posts Recentes
Arquivo